Blog
Selenotopografia

Vaz Tolentino

Crateras Archimedes, Aristillus e Autolycus

Cratera Archimedes

Diâmetro: 81 Km;
Profundidade: 2,1 Km;
Coordenadas Selenográficas: LAT: 29° 42′ 00” N, LON: 04° 00′ 00” W.
Período Geológico Lunar: Ímbrico Final (3,800 bilhões até cerca de 3,2 bilhões de anos atrás).
Melhor período para observação: Na fase quarto-crescente ou 6 dias após à fase Lua cheia.

Quem foi Archimedes?

Físico, matemático e inventor grego (287 aC – 212 aC). Descobriu um dos métodos para calcular o valor de PI (razão entre o perímetro de uma circunferência e seu diâmetro) utilizando séries. Contribuiu para a hidrostática com o famoso Princípio de Archimedes (“Todo corpo mergulhado num fluido em repouso sofre, por parte do fluido, uma força vertical para cima, cuja intensidade é igual ao peso do fluido deslocado pelo corpo.”). Descobriu ainda o princípio da alavanca, sendo atribuído a ele a conhecida frase: “Deem-me uma alavanca e um ponto de apoio e eu moverei o mundo”.

Archimedes é uma proeminente cratera de impacto isolada, localizada na margem leste do Mare Imbrium. O impacto que a criou aconteceu na fase final da formação do mar de lavas que a hospeda. Archimedes, que forma um destacado trio com as crateras Aristillus e Autolycus, é a maior cratera do Mare Imbrium.

Sua forma original provavelmente se parecia muito com a bela cratera de morfologia complexa Copernicus, mas o interior de Archimedes foi inundado por lava basáltica que aflorou através de fissuras na crosta no fundo da cratera, provocadas pelo impacto que a escavou, pois não existem caminhos ou passagens atravessando suas paredes, por onde a lava do Mare Imbrium pudesse penetrar. Seu piso fundo, o pico central e a maior parte das paredes internas estruturadas em terraços também foram soterrados por lavas.

O piso interno inundado de Archimedes produziu um aspecto plano e liso na sua ampla superfície. O piso hospeda algumas minúsculas crateras de impacto.

As características externas originais da época da criação da cratera Archimedes foram cobertas pelos últimos movimentos de lavas provenientes da formação do Mare Imbrium, como por exemplo, as marcas externas de seu material ejetado durante o impacto (crateras secundárias) (COLLINS, 2012).

O piso interno inundado de Archimedes produziu um aspecto plano e liso na sua superfície. O piso hospeda algumas minúsculas crateras de impacto.

A região entre Archimedes e Autolycus, conhecido como Sinus Lunicus, foi o local onde a sonda lunar soviética Luna 2 colidiu com a superfície da Lua, em 13 de setembro de 1959. Os equipamentos da Luna 2 pesavam 390 kg e esse foi o primeiro objeto construído pelo homem a alcançar a superfície lunar.

Ao norte de Archimedes e a leste de Aristillus, encontra-se uma cadeia de montanhas solitárias conhecidas como Montes Spitzbergen (LAT: 35.0º N, LON: 5.0º W). Sua extensão de 60 Km assenta-se na direção norte-sul, com uma largura máxima de 25 km. Caracteriza-se como um grupamento de montanhas separadas por vales cheios de lava, cujo pico mais alto atinge cerca de 1500 m de altitude em relação à superfície circundante.


Archimedes, Aristillus e Autolycus
O belo trio de crateras Archimedes, Aristillus e Autolycus e as demais formações vizinhas. Foto executada por Ricardo José Vaz Tolentino em 28 de junho de 2012, 21:05:20.

Cratera Aristillus

Diâmetro: 55 Km;
Profundidade: 3,6 Km;
Coordenadas Selenográficas: LAT: 33° 54′ 00” N, LON: 01° 12′ 00” E;
Período Geológico Lunar: Copernicano (1,1 bilhões de anos atrás até os dias atuais).
Melhor período para observação: No quarto-crescente ou 6 dias após a Lua cheia.

Quem foi Aristillus?

Aristillus (280 aC – ?) foi um astrônomo grego do terceiro século antes de Cristo que viveu em Alexandria e presumivelmente foi da escola de Timocharis.

A nordeste de Archimedes encontra-se a interessante cratera de impacto do tipo complexo Aristillus. As encostas de suas paredes internas deslizaram e formaram terraços. Seu piso interno é plano, com 3.6 Km de profundidade, com a presença de três belas montanhas centrais, sedo que a maior atinge cerca de 900 m de altitude em relação ao fundo piso interno.

As bordas externas formam uma espécie de “fortificação”, muralha ou baluarte que circunda a cratera, com paredes escarpadas e inclinadas, criadas pelos materiais escavados durante o impacto. Aristillus também possui um sistema de raios brilhantes, causados pelos escombros ejetados durante o impacto que a criou. Ao norte de Aristillus, junto à sua borda externa, existe os restos remanescentes de uma cratera fantasma sem denominação, completamente soterrada por lava do Mare Imbrium.


Archimedes
Lua cheia mostrando a região da foto da cratera Archimedes e os perfis altimétricos de Archimedes e Aristillus. Foto e perfis executados por Ricardo José Vaz Tolentino.

Cratera Autolycus

Diâmetro: 39 Km;
Profundidade: 3,4 Km;
Coordenadas Selenográficas: LAT: 30° 42′ 00” N, LON: 01° 30′ 00” E;
Período Geológico Lunar: Período Eratosteniano (3,2 bilhões até 1,1 bilhões de anos atrás).
Melhor período para observação: No quarto-crescente ou 6 dias após a Lua cheia.

Quem foi Autolycus?

Autolycus de Pitane (360 aC – 290 aC) foi um astrônomo, matemático e geógrafo grego.

Autolycus forma um destacado desenho triangular com Archimedes e Aristillus, estando Archimedes posicionada do lado oeste e Aristillus do lado norte de Autolycus.

A cratera Autolycus é uma formação predominantemente circular, de piso irregular e com ausência de pico central. Na sua borda leste, existe uma minúscula cratera designada Autolycus A, com 4 Km de diâmetro e 750 m de profundidade.


Archimedes, Aristillus e Autolycus
Archimedes, Aristillus e Autolycus e a bela região onde se encontram. Foto executada por Ricardo José Vaz Tolentino em 28 de junho de 2012, 21:04:00.

 

Ocultação pela Lua
A cratera e o platô de Aristarchus e o Vallis Schröteri