Blog
Selenotopografia

Vaz Tolentino

Ocultação pela Lua

Ocultação é o fenômeno de desaparecimento temporário de um astro, devido à passagem de outro com maior diâmetro aparente à sua frente, a partir de um determinado ponto de vista.

Conforme a Lua navega em torno da Terra em sua órbita mensal, ela acaba passando em frente de estrelas e planetas. Quando a Lua esconde um corpo celeste da nossa visão, dizemos que a Lua ocultou o tal corpo. Por exemplo, um eclipse solar é uma ocultação do Sol pela Lua.

Porém, a Lua com seu grande brilho, faz com que seja difícil enxergar as estrelas fracas que estão na sua proximidade e que são ocultadas com mais frequência. Ocultações notáveis, como as de estrelas de grande magnitude ou planetas, costumam acontecer com pouca frequência e são realmente um espetáculo para se observar!

As partes interessantes no processo de uma ocultação feita pela Lua ocorrem, primeiramente, quando o objeto é escondido da nossa visão (desaparecimento ou imersão) e, segundamente, quando ele surge novamente (reaparecimento ou emersão).


Ocultação de Júpiter pela Lua
Fases da etapa de reaparecimento de Júpiter na ocultação feita pela Lua em 25‎ de ‎dezembro‎ de ‎2012. A partir do nosso ponto de vista em Belo Horizonte/MG, a fase de desaparecimento de Júpiter aconteceu na borda escura da Lua (a Lua estava 95 % iluminada) no quadrante sudoeste, na região da cratera HENRY FRERES (23,5° S; LAT: 58,9° W). A fase de reaparecimento aconteceu na região da cratera HUMBOLDT (LAT: 27,2° S; LON: 80,0° E), localizada no limbo lunar do quadrante sudeste. Na composição fotográfica também apresentamos no detalhe em três versões, o planeta Júpiter, fotografado em outra data, no dia 10 de novembro de 2011, às 00:40:35. Composição e fotos executadas pelo autor. Clique na imagem para ampliar.

Durante a primeira metade da lunação, ou seja, da Lua nova à Lua cheia, o desaparecimento se faz na borda obscura e o reaparecimento se dá na borda iluminada. Na segunda metade da lunação, acontece o contrário.


Lua e Júpiter
Lua e Júpiter em 25‎ de ‎dezembro‎ de ‎2012, ‏‎22:19:54, minutos depois do fim da ocultação de Júpiter pela Lua. Foto executada pelo autor. No passado, a cronometragem precisa dos dois eventos (desaparecimento e reaparecimento) de uma ocultação estelar feita pela Lua (evento que acontece com mais frequência), era usada para ajudar a refinar o nosso conhecimento sobre a órbita lunar, definir as posições precisas das estrelas, auxiliar na determinação da longitude do local de observação, determinar a exata posição da Lua no céu, bem como visualizar com mais precisão o perfil da superfície da borda ou limbo lunar. Clique na imagem para ampliar.

No passado, a cronometragem precisa dos dois eventos (desaparecimento e reaparecimento) de uma ocultação estelar feita pela Lua (evento que acontece com mais frequência), era usada para ajudar a refinar o nosso conhecimento sobre a órbita lunar, definir as posições precisas das estrelas, auxiliar na determinação da longitude do local de observação, determinar a exata posição da Lua no céu, bem como visualizar com mais precisão o perfil da superfície da borda ou limbo lunar.

No caso de ocultação de estrelas, como a Lua não tem atmosfera, sua borda é bem definida e isto, combinado com o fato de que as estrelas distantes aparecem para nós como fontes de luz provenientes de minúsculos pontos, significa que, desaparecimentos e reaparecimentos de estrelas nas ocultações são eventos instantâneos, ou seja, a luz de uma estrela desaparece e aparece repentinamente. Quando o desaparecimento e o reaparecimento de uma estrela ocorrem em pontos diametralmente opostos do disco lunar, a ocultação atinge a duração máxima (cerca de 70 minutos).

No caso da ocultação dos maiores planetas pela Lua (evento que acontece com menos frequência), a partir do nosso ponto de vista, as etapas de desaparecimento e reaparecimento não são instantâneas, dando-nos a oportunidade de observar mais o belo show e fotografar com detalhes as duas etapas. ■


Composição fotográfica
Composição fotográfica mostrando a etapa de reaparecimento da ocultação de Marte pela Lua em 19 de setembro de 2012. A partir do nosso ponto de vista em Belo Horizonte/MG, o desaparecimento de Marte ocorreu no quadrante noroeste lunar (um pouco para o norte do quadrante), que estava escuro. O reaparecimento ocorreu no quadrante nordeste lunar (um pouco para o sul do quadrante), na região do Mare CRISIUM. Os horários das fotos estão especificadas na imagem. Fotos executadas pelo autor. Clique na imagem para ampliar.


Composição fotográfica
Composição fotográfica mostrando a sequência do reaparecimento de Saturno na ocultação ocorrida em 20 de março de 2014. O desaparecimento ocorreu do lado iluminado na região da cratera PETTIT, no quadrante sudoeste. Hora do início do desaparecimento: 01:22:26 UT (22:22:26 Hora Local). Altitude da Lua no momento do desaparecimento: 18° 24’. Lunação de 19,72 dias e iluminação da Lua com 81,1%. O Reaparecimento mostrado na foto ocorreu na região da cratera PETAVIUS, no quadrante sudeste lunar. Hora do início do reaparecimento: 02:19:18 UT (23:19:18 Hora Local). Altitude da Lua no momento do reaparecimento: 31° 13’. Lunação: 19,76 dias e Lua com iluminação de: 80,7%. Fotos executadas pelo autor. Clique na imagem para ampliar.


 

Tipos de formações presentes na superfície lunar (3ª parte)
Crateras Archimedes, Aristillus e Autolycus

1 comentário sobre “Ocultação pela Lua”

  1. existe um site que informe estes eventos? Ocultação de planetas pela lua? saber o dia ajuda a acompanhar.

Os comentários estão encerrado.